Cantares

Capítulo: 3

1-4Ansiosa em meu leito, perdi o sono. Esperei pelo meu amado, por quem minha alma anseia. Como doía a saudade! Então me levantei e saí desnorteada pela cidade, procurando-o por toda parte. Tentei achá-lo, mas não o encontrei. Então, os guardas me encontraram quando faziam a ronda noturna. “Vocês viram aquele por quem minha alma anseia?” perguntei ansiosa. Mal os deixei, nem pude acreditar: era ele! Encontrei aquele por quem anseia a minha alma! Atirei-me em seus braços e o abracei apertado. Segurei-o. Não o deixei ir. Vou levá-lo para o aconchego da minha casa.

5Amigas de Jerusalém, pelas gazelas e pelas corças das colinas, prometam: Só despertem o amor, quando chegar o seu momento.

6-10O que é aquilo que vem chegando do deserto, em meio a nuvens de poeira, enchendo o ar de doces aromas e fragrâncias inesquecíveis? É a carruagem de Salomão! Vem chegando com sessenta soldados, os melhores de Israel! Trazendo as armas mais poderosas, são imbatíveis na batalha, os mais experientes entre os guerreiros. O rei Salomão mandou fazer uma carruagem. Era toda de cedros do Líbano, revestida de prata, com o teto de ouro. Seus assentos eram cobertos de púrpura, e, por dentro, tudo cuidadosamente trabalhado.

11Venham ver, amigas de Jerusalém. Ó mulheres de Sião, vocês não podem perder! É o meu rei, o meu amado, vestido majestosamente para o casamento, seu coração explode de alegria!