Eclesiastes

Capítulo: 4
É SUICÍDIO

1-4Depois voltei minha atenção para a terrível violência que existe neste mundo — as lágrimas dos oprimidos que nunca receberam nenhum consolo; as vítimas inocentes, esmagadas por seus opressores, sem que ninguém fizesse nada. Então, imaginei que os mortos são mais felizes que os vivos. E melhor ainda é aquele que nunca nasceu, que nunca viu toda essa crueldade praticada na terra. Fiquei chocado! Descobri que tudo que se faz é motivado por ambição e inveja. Que loucura! É tudo inútil — é nadar contra a maré.

5O insensato se recosta e se acomoda: sua preguiça é um suicídio.

6É melhor ficar tranquilo com um pássaro na mão que ter dois voando e estar em aflição — e ficar nadando contra a maré!

POR QUE ESTOU TRABALHANDO FEITO BURRO DE CARGA

7-8Foi, então, que vi outro absurdo da vida: um homem solitário, completamente sozinho, sem filhos, família ou amigos, e, ainda assim, trabalhava como louco noite e dia, sem parar. Era compulsivo, sempre queria mais e mais. Nunca parava para se perguntar: “Por que estou trabalhando feito burro de carga, deixando de me divertir? E quem se importa?” Que grande absurdo! Completamente inútil!

9-10É melhor ter uma companhia que caminhar sozinho, para compartilhar o trabalho e dividir a riqueza. E, se um dos dois cair, o outro ajudará, mas, sem ninguém para ajudar, fica complicado!

11Dois numa cama aquecem um ao outro. Sozinho, você pode morrer de frio.

12Sozinho, você está desprotegido. Mas, com um amigo, pode enfrentar o pior. A ajuda de um terceiro será ainda melhor: uma corda de três filamentos não se rompe com facilidade.

13-16E melhor um jovem sábio que um rei idoso e insensato, que já não ouve mais ninguém. Vi um jovem começar do nada e mudar de vida, chegando ao trono. Percebi que todos se juntaram ao governo desse jovem sucessor do rei. Mas o entusiasmo não durou muito e a geração seguinte o rejeitou, criando oposição. É um absurdo! É tudo inútil! É nadar contra a maré!