II Samuel

Capítulo: 12

27-3Mas o Eterno não se agradou do comportamento de Davi; por isso, enviou Natã, que contou esta história ao rei: “Havia dois homens numa cidade. Um era rico, e o outro, pobre. O rico tinha um enorme rebanho de ovelhas e bois; o pobre, apenas uma cordeirinha; que tinha comprado e criado. Ela cresceu com ele e seus filhos, como um membro da família. Ela comia do prato dele, bebia do seu copo e dormia em sua cama. Era como uma filha para ele.

4“Certo dia um viajante apareceu na casa do rico. Ele era muito avarento e, não querendo matar uma das suas ovelhas ou um dos seus bois para alimentar o visitante, pegou a cordeirinha do pobre, preparou a refeição com ela e ofereceu ao seu hóspede”.

5-6Davi ficou furioso. Disse a Natã: “Assim como vive o Eterno, o homem que fez isso tem de morrer! E deve pagar quatro vezes o valor da cordeirinha, por causa do seu crime e da sua avareza!”

7-12Natã respondeu: “Você é esse homem! E o Eterno, o Deus de Israel, manda dizer: ‘Eu ungi você rei sobre Israel. Eu o livrei das mãos de Saul. Dei a você casa e a filha de seu senhor e outras mulheres que podia ter em seus braços. Dei Israel e Judá a você. E, como se não bastasse, daria a você muito mais. Então, por que você desprezou a palavra do Eterno, cometendo tamanho erro? Você assassinou Urias, o hitita, e tomou a mulher dele. Pior, você o matou com a espada dos amonitas! Agora, já que você desprezou o Eterno e tomou a mulher de Urias, o hitita, para ser sua mulher, sua família irá conviver sempre com morte e assassinato. É o Eterno quem está dizendo! A sua desgraça virá da sua família. Tomarei as suas mulheres à sua vista e as entregarei a seu amigo, e ele se deitará com elas publicamente. Você cometeu esse ato em secreto, mas isso acontecerá diante de toda a nação!’”.

13-14Davi confessou a Natã: “De fato, pequei contra o Eterno!”. Natã declarou: “É verdade, mas essa não é a palavra final. O Eterno perdoa você. Você não morrerá. Mas, por ter ofendido o Eterno, seu filho morrerá”.

15-18Depois que Natã voltou para casa, o Eterno afligiu o filho de Davi que a mulher de Urias deu à luz, e o menino ficou muito doente. Davi orou desesperadamente a Deus pelo menino. Ele jejuou, não saía do palácio e dormia no chão. Os oficiais do palácio tentavam tirá-lo do chão, mas ele não cedia nem se levantava para comer com eles. Sete dias depois, a criança morreu. Os criados ficaram com medo de dar a notícia a ele. Diziam: “O que faremos agora? Enquanto a criança estava viva, ele não dava ouvido ao que dizíamos. Agora que a criança morreu, se dissermos alguma coisa, não se sabe o que ele poderá fazer”.

19Davi percebeu que os criados estavam cochichando e imaginou que o menino tivesse morrido. Ele perguntou: “O menino morreu?”. Eles responderam: “Sim, morreu”.

20Davi se levantou do chão, lavou o rosto, arrumou o cabelo, trocou de roupa e foi ao santuário adorar ao Eterno. Depois, voltou para o palácio e pediu algo para comer. Puseram a comida diante dele, e ele comeu tudo.

21Os criados perguntaram: “O que está acontecendo com o senhor? Enquanto a criança estava viva, o senhor jejuou, chorou e ficou acordado a noite toda. Agora que o menino morreu, o senhor se levanta e come!?”.

22-23Ele respondeu: “Enquanto a criança estava viva, chorei e jejuei, pensando que, talvez, o Eterno tivesse misericórdia de mim, e a criança sobrevivesse. Mas agora que ela morreu, por que jejuar? Posso trazê-la de volta? Posso ir me encontrar com ela, mas ela não pode vir a mim”.

24-25Davi foi consolar sua mulher, Bate-Seba. E, depois de se deitar com ela, ela engravidou outra vez. Nasceu um menino, e deram a ele o nome de Salomão. O Eterno o amou e enviou uma mensagem por intermédio de Natã: o menino deveria ser chamado Jedidias (Amado do Eterno). Ill

26-30Na guerra contra os amonitas em Rabá, Joabe conquistou a cidade real. Ele mandou mensageiros a Davi, dizendo: “Estou atacando Rabá e acabei de controlar o reservatório de água da cidade. Reúna o restante das tropas, acampem-se perto da cidade e conquiste você mesmo a cidade. Do contrário, eu a conquistarei e receberei as honras por isso”. Então, Davi conduziu as tropas até Rabá, lutou e conquistou a cidade. Ele pegou a coroa do rei dá cidade, que pesava muito por causa do ouro e das pedras preciosas. Puseram a coroa na cabeça de Davi e saquearam a cidade, carregando tudo que era de valor.

31Davi tirou todos os habitantes da cidade e os submeteu a trabalhos forçados com serras, picaretas e machados e na fabricação de tijolos: Ele fez o mesmo com todas as cidades dos amonitas. Depois, voltou com todo o exército para Jerusalém.