I Reis

Capítulo: 13

1-3Quando Jeroboão estava diante do altar, pronto para oferecer o sacrifício, chegou de Judá, por determinação do Eterno, um homem de Deus. Ele profetizou contra o altar, conforme a ordem do Eterno: “Altar! Altar! Assim diz o Eterno: ‘Um filho da linhagem de Davi nascerá e se chamará Josias. Ele sacrificará sobre você os sacerdotes dos altares que hoje oferecem sacrifícios aqui! Ossos humanos serão queimados sobre você!’”, Logo em seguida, anunciou um sinal: “Eis a prova de que esta mensagem vem do Eterno: o altar rachará ao meio, e as ofertas consagradas cairão no chão”.

4-5Quando o rei ouviu a mensagem do homem de Deus contra o altar de Betel, deu ordem para que o agarrassem: “Prendam este homem!”. Mas o braço do rei ficou paralisado. No mesmo instante, o altar rachou ao meio, e as ofertas consagradas caíram no chão. Aconteceu exatamente o que o homem de Deus tinha anunciado por ordem do Eterno.

6O rei suplicou ao homem de Deus: “Ajude-me! Interceda ao Eterno pela cura do meu braço”. O homem de Deus orou por ele, e o braço do rei foi curado. Ficou como antes!

7Depois disso, o rei disse ao homem de Deus: “Você está convidado a comer comigo. Tenho um presente para você".

8-10Mas o homem de Deus disse ao rei: “Ainda que você me pagasse com a metade dos seus bens, eu não me sentaria com você à mesa neste lugar. O Eterno me deu esta ordem: ‘Não coma nada, não beba nada e não volte pelo mesmo caminho'”. Assim, partiu por um caminho diferente do que tinha tomado para ir a Betel.

11Havia um velho profeta morando em Betel. Seus filhos foram contar a ele o que o homem de Deus tinha feito na festa. Fizeram um relato completo do incidente e de tudo que o homem tinha dito ao rei.

12O pai deles disse: “Que caminho ele tomou?” Os filhos apontaram para a estrada que o homem de Judá tinha seguido.

13-14Ele pediu a seus filhos: “Selem um jumento” Depois que selaram o jumento, o profeta montou o jumento e foi atrás do homem de Deus. Ele o encontrou sentado debaixo de um carvalho e perguntou: “Você é o homem de Deus que veio de Judá? " Ele respondeu: “Sim, sou eu”.

15“Venha comigo, vamos comer em minha casa”.

16-17O homem de Deus respondeu: “Desculpe, mas não posso. Não posso voltar com você nem comer com você em sua terra. Estou seguindo às ordens do Eterno: ‘Não coma nem beba nada e não volte pelo mesmo caminho’”.

18-19Mas ele disse: “Eu também sou profeta, como você. Um anjo veio a mim com uma mensagem do Eterno, dizendo: 'Traga-o para sua casa e ofereça-lhe uma boa refeição!’". Mas o profeta estava mentindo. Então, o homem de Deus foi para a casa dele, e ambos comeram.

20-22Estavam ainda sentados à mesa quando a palavra do Eterno veio ao profeta que tinha ido buscar o homem de Deus. Dirigindo-se ao homem que tinha vindo de Judá, ele disse: “Assim diz o Eterno: ‘Você desobedeceu à ordem do Eterno, ignorou as suas instruções. Você voltou, assentou-se à mesa e se alimentou no lugar em que Deus disse que você não deveria comer nem beber nada. Por isso, você morrerá longe de sua casa e não será enterrado no túmulo de seus antepassados’”.

23-25Depois de terminarem de comer, o profeta que tinha trazido o homem de volta selou o seu jumento para ele. No meio do caminho, um leão o atacou, e ele morreu. Seu corpo ficou jogado na estrada. O leão estava de um lado e o jumento do outro Quem passava via o corpo estendido com o leão de guarda ao lado do corpo. Alguém foi à cidade na qual o velho profeta morava para dar a noticia.

26Quando o profeta que tinha leito o homem se desviar soube da noticia, disse: “É o homem de Deus que desobedeceu à ordem do Eterno. O Eterno o mandou para as garras do leão, que o atacou e o matou, como o Eterno me disse”.

27-30O profeta disse a seus filhos: “Selem o meu jumento”. Eles o selaram, e o profeta partiu. Ele encontrou o corpo do homem estendido no chão com o leão e o jumento do lado. O leão não quis comer o corpo nem atacar o jumento. O velho profeta pós o corpo do homem de Deus sobre o jumento, voltou para sua cidade e deu a ele um enterro digno. O corpo do homem de Deus foi sepultado no túmulo do próprio profeta. O povo chorou, dizendo: “Que dia triste, irmão!”

31-32Depois do funeral, o profeta disse a seus filhos: “Quando eu morrer, enterrem-me no mesmo túmulo em que está esse homem de Deus. Ponham os meus ossos junto dos ossos dele. A mensagem que ele anunciou da parte do Eterno contra o altar de Betel e contra todos os altares idólatras das cidades de Samaria será cumprida".

33-34Depois desses acontecimentos, Jeroboão continuou agindo mal. Ele designou, indiscriminadamente, mais sacerdotes para os altares idólatras. Nomeava qualquer um que quisesse servir como sacerdote num dos altares locais. Esse foi o principal pecado do reinado de Jeroboão e foi o que o levou à ruína.